PPP da Escola

ESCOLA MUNICIPAL LUCAS MARCIANO DA SILVA

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Projeto Político Pedagógico

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Suzana

2009

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ninguém ignora tudo. Ninguém sabe tudo. Todos nós sabemos alguma coisa. Todos nós ignoramos alguma coisa. Por isso aprendemos sempre.”

 

Paulo Freire

INDICE

 

 

1- Introdução………………………………………………………………………….

04

2- Finalidades da Escola…………………………………………………………

05

3- Estrutura organizacional……………………………………………………..

06

     3.1- Administrativa…………………………………………………………….

06

     3.2- Pedagógica………………………………………………………………..

07

4- Currículo ………………………………………………………………………….

08

5- Tempos Escolares…………………………………………………………….

09

6- Processos de Decisão………………………………………………………

10

7- Relações de Trabalho……………………………………………………….

11

8- Avaliação ………………………………………………………………………..

12

9- Referências……………………………………………………………………..

14

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

1- INTRODUÇÃO

 

A Escola Municipal Lucas Marciano da Silva, esta localizada a Rua Hum, no povoado de Suzana, a 33 km da Sede do Município de Brumadinho. Telefone X , e mail X , pertence ao Sistema Municipal de Ensino.

 

A escola é composta por 261 alunos, X funcionários, sendo 1 diretor, 1 vice-diretor, 1 especialista em educação X docentes, X agente de serviços.

 

O projeto político pedagógico foi elaborado com a participação de todos os funcionários da escola, representante da comunidade, conselhos escolares, pais e representante de alunos. O mesmo foi elaborado numa reunião realizada na escola, onde foram apresentados dados sobre dificuldades enfrentadas pela escola, índice do IDEB, desempenho em avaliações nacionais, limitações físicas e necessidades pedagógicas emergentes.

 

Diante dos dados os integrantes foram solicitados a anotar sugestões e medidas necessárias de urgência, bem como foram convidados a propor metas para a escola.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

2- FINALIDADES DA ESCOLA

 

A escola acredita na qualidade do ensino através da valorização do ser humano, através de projetos e incentivo à leitura, de forma reflexiva e crítica. Considerando o aluno, como sujeito de sua própria aprendizagem, onde o conhecimento é construído progressivamente pelo aluno, mediado e incentivado pelo professor. A organização do trabalho escolar baseia-se no prazer de conhecer e descobrir, o que estimula o desenvolvimento da autonomia de nossos alunos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

3- ESTRUTURA ORGANIZACIONAL

3.1-           Administrativa

 

a) Recursos humanos: X

·        Direção: Noezia Graziela Arrieiro

 

·        Vice-direção: Rosalice Lenes da Silva

 

·        Supervisora Pedagógica : Shirley Lucia Ribeiro

 

·        Corpo docente:

 

·        Educação Infantil

 

·        1º Período: Juliana Soares

·        2º Período: Ivani

·        1º ano: Alessandra

 

·        Ensino Fundamental: 2º ao 5º ano

·        2º ano: Maria Efigênia

·        3º ano: Luciana

·        4º ano: Marcilene

·        5º ano: Ivani

 

·        Ensino Fundamental: 6º ao 9º ano

·        Matemática: Ruthlene Santos Paulista

·        Português: Maria Regina Rodrigues

·        Literatura: Armando Sérgio

·        Ciências: Érika Helen Dias

·        Geografia: Paulo César

·        História: Adair Luciano

·        Ensino Religioso: Maria José

·        Educação Física/ Geometria/ Artes: Robsney Gonçalves

·        Inglês: Elaine Lima

 

·        Servidores: 01 diretora, 01 vice-diretoras, 01 supervisora pedagógica,  16 professores, 06 agente de serviços, 02 rondas.

 

·        Modalidades: Educação Infantil, Ensino Fundamental (1º ao 5º ano) e Ensino Fundamental (6º ao 9 ano).

 

 b) Recursos físicos

 

A escola é composta por um espaço de X metros de área livre, não cimentada, com área verde de mata nativa, 01 horta e a construção do prédio da escola. A construção é antiga e necessita de reforma, tem espaço para uma quadra de futsal, que atualmente e usado como campinho pelos alunos e comunidade. A escola é cercada com tela em toda sua extremidade.

O espaço da escola é bem espaçosa e arejada, porém, com pouca área construída, como por exemplo, faltam salas de aula, sala de vídeo e de informática.

 

A escola possui mobiliário conservado e bem cuidado pelos alunos e funcionários. Quanto aos equipamentos possui freezer, geladeira, aparelhos audiovisuais (Vídeo, DVD, TV 29”), retroprojetor, 2 computadores equipados com impressora a Laser.

 

O espaço da escola é aproveitado pela comunidade que utiliza o prédio para realização de oficinas propostas pelo Programa Escola Aberta.

 

 

3.2- Pedagógica

 

A Secretaria Municipal de Educação em parceria com pedagogos e professores organiza um planejamento anual para toda a Rede Municipal, que é subdivido em bimestres. Este e recebido pelas escolas e organizado de acordo com a realidade de cada escola, considerando contexto social, nível de aprendizagem e projeto da escola.

 

No início do ano, e sempre que se faz necessário, a escola adota o período de diagnóstico, onde cada professor faz um levantamento das necessidades da turma. E elabora seu planejamento bimestral de acordo com as necessidades de cada turma.

 

As turmas são organizadas de forma heterogênea, com média de 35 alunos por turma. As turmas são dividas em séries do 1º período ao 9º ano. Na educação infantil ao 5 º ano a turma dispõe de uma educadora habilitada. Do 6º ao 9º ano, cada disciplina possui um educador especialista da área.

 

A interação do grupo de educadores se faz mensalmente através de um módulo de duas horas, destinados a projetos e estudos coletivos, onde participam todos os professores, pedagogo e direção da escola, e sempre que se faz necessário, demais funcionários.

 

A escola trabalha bastante com projetos de ensino, e estabelece parcerias com escolas próximas e com a comunidade. Acredita e apoia atividades criativas e educativas, como gincanas, eventos, proteção ao meio ambiente, incentivo a leitura dentre outros aspectos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

4- CURRÍCULO

 

De acordo com Moreira & Candau (2008) à palavra currículo associa-se a várias concepções, que derivam dos diversos modos de como a educação é concebida historicamente. Sendo assim, o contexto sócio-econômico, políticos e culturais contribuem para que o currículo venha a ser entendido como: conteúdos a serem ensinados e aprendidos, experiências de aprendizagem dos alunos, planos pedagógicos, objetivos a serem alcançados por meio do ensino, processos de avaliação, dentre outros aspectos.

 

 

Entendemos que o currículo é uma construção e seleção de conhecimentos e práticas produzidas em contextos concretos, e fundamentos nas dinâmicas sociais, políticas, culturais e pedagógicas e que não é composto de conteúdos prontos e acabados a serem repassados aos alunos.

 

Currículo como experiências escolares que se desdobram em torno do conhecimento, em meio a relações sociais, e que contribuem para a construção das identidades de nossos alunos. Currículo associa0se assim, ao conjunto de esforços pedagógicos desenvolvidos com intenções educativas” (MOREIRA & CANDAU, 2008, p. 17)

 

O conhecimento é considerado para nossa escola como o eixo estruturante do currículo e da pratica docente, conhecimento esse, que é entendido como um campo dinâmico de produção, criação e construção crítica.

 

A escola preserva o direito à cultura, como dever do currículo de garantia de cultura a novas gerações. Bem como, a superação de preconceitos e conhecimento étnico-racial

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

5- TEMPOS E ESPAÇOS ESCOLARES

 

O planejamento é organizado coletivamente e de forma bimestral, embora tenha flexibilidade para alterações em qualquer tempo, e feito por turma. O tempo escolar é dividido em bimestres.

 

Os alunos são organizados em turmas que giram entre 35 a 38 alunos e na maior parte das vezes é composta por turma única. Em caso de duas turmas, a escola utiliza da heterogeneidade para organizar as mesmas.

 

O horário de aula é dividido em dois turnos, o primeiro das 07horas as 11h30mim o segundo turno de 12horas as 16h30mim. A escola atende sempre que possível, através de voluntários alunos de turnos alternados, para efetivação de recuperação de conteúdos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

6- PROCESSO DE DECISÃO

 

A escola trabalha em regime de parcerias, onde todos os profissionais contribuem para o bom andamento da escola.  Os alunos são assistidos e orientados pelos professores, que se responsabilizam em ensinar e promover mediação entre os alunos e as informações.

Os pais nos apóiam nas decisões e na condução dos alunos no processo educativo. Temos reuniões mensais e sempre que necessário visitam e procuram informações na escola.

 

Os professores são coordenados pelo pedagogo, que se responsabiliza pelo apoio e organização pedagógica da escola, acompanhamento dos alunos e da aprendizagem. Esta presente na escola 2,5 dias.

 

A Direção e Vice-direção se responsabilizam pelo bom funcionamento da escola, da questão administrativo, financeira e pedagógica.

 

Os conselhos apóiam e sugerem metas para nossa escola, acompanham de perto nossas ações e dificuldades.

 

Quando a escola precisa de apoio pedagógico a Secretaria Municipal de Educação dispõe de uma diretoria de ensino (diretora da educação infantil, Seres Iniciais do Ensino Fundamental. 6º ao 9º ano, Diretoria de Projetos e Educação especial) além do apoio da Inspetora de Ensino.

 

Em casos de indisciplina que não podem ser resolvidas na escola, temos o apoio do Conselho Tutelar que se mostra atuante e participativo na relação, escola, família e sociedade.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

7- RELAÇÕES DE TRABALHO

 

As relações de trabalho se dão através de uma proposta de transparência e respeito ao trabalho do outro. Por muito tempo, foi um fator de preocupação para escola, considerando que trata-se de uma comunidade com poucos habitantes e que na maioria das vezes os profissionais da escola são oriundos da sede.

 

Por isso, se fez necessário um processo de incentivo ao trabalho em equipe e respeito ao colega. Nesse trabalho a escola procurou delinear em reuniões periódicas as funções de cada profissional, fundamentando-se no Estatuto do Servidor do município e nas necessidades da escola. Foi realizada uma definição clara de papéis, não perdendo de vista, a necessidade de boa relação e apoio sempre que necessário entre os colegas.

 

Os conflitos de relações são pouco freqüentes na escola, seja aluno/aluno, professor/aluno, professor/professor ou professor/direção. Quando ocorre casos de conflitos com alunos, de preferência são resolvidos pelo professor, quando essa estratégia não e possível, os alunos são encaminhados a direção, onde é atendido pelo pedagogo e pela direção. A família é sempre comunicada, por bilhetes ou são solicitadas a comparecer a escola. Conflitos que excedem essas medidas são encaminhados ao conselho tutelar.

 

Conflitos com professores e funcionários, são preferencialmente resolvidos na escola, através de um  diálogo transparente, registrados em ata. Quando não resolvido são encaminhados a Diretoria de Ensino, órgão componente da Secretaria Municipal de Educação.

 

Os profissionais da escola são em 92% habilitados e estão em constante formação profissional, X possuem pós graduação. E importante considerar que a rede municipal de ensino investe bastante em cursos de qualificação em serviço, o que possibilita uma reciclagem permanente dos profissionais.

 

O envolvimento da família com a escola e os professores é um processo ainda em desenvolvimento, que gradualmente vem se efetivando. Mas, ainda é um entrave para a escola. O envolvimento dos pais com a escola ainda é considerado baixo. A escola vem buscando medidas para sanar este entrave, através do programa escola aberta, onde o espaço da escola é aberto aos pais, comunidades e alunos aos finais de semana para oficinas e cursos de formação. A escola promove eventos, reuniões pedagógicas onde a presença dos pais é solicitada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

8- AVALIAÇÃO

 

No dicionário Aurélio, avaliar significa determinar a valia ou o valor de, apreciar ou estimar o merecimento de, determinar a valia ou o valor, o preço, o merecimento, calcular e estimar, fazer apreciação, ajuizar.

 

Medir significa  determinar ou verificar, tendo como base a escala fixa, a extensão, medida ou grandeza de comensurar, ser a medida de.

 

Assim, podemos perceber que o elemento chave da definição de avaliação implica julgamento, apreciação, valoração, e qualquer ato que implique em julgar, valorar, implica que quem pratica tenha uma norma ou padrão que permita atribuir um dos valores possíveis a essa realidade.

 

Ainda que avaliar implica alguma espécie de medição, a avaliação é muito mais ampla que a medição ou a qualificação. A avaliação não é um processo parcial e nem linear. Ainda que se trate se um processo, está inserida em outro muito maior que é o processo de ensino-aprendizagem e nem linear porque deve ter ajustes e reajustes permanentes.

 

Dessa forma, transformar a prática avaliativa significa questionar a educação desde as suas concepções, seus fundamentos, sua organização, suas normas burocráticas. Significa mudanças conceituais, redefinição de conteúdos, das instituições docentes.

 

A escola adota a avaliação como um processo de ação-reflexão-ação que visa orientar uma prática de avaliação através da conscientização por parte de professores, pedagogos, alunos e pais.

 

Nessa perspectiva, a avaliação exige do professor um pensamento e uma busca de novas maneiras de avaliar, cientes que, mudança na avaliação pressupõe necessariamente transformação da escola num todo.

 

Tem seu enfoque como meio de investigação, é sempre norteadora da prática. A avaliação formativa e contínua é praticada pela escola, onde os alunos são avaliados a todo o momento, em diversos aspectos. Utiliza-se nesse processo, a auto-avaliação, argüição, avaliação escrita, participação do aluno, sua evolução. A avaliação escrita divide-se em avaliações mensais e bimestrais, onde é atribuído pontuação.

 

A pontuação atribuída às avaliações é definida em conjunto com professores, pedagogo e direção, de forma a atender as necessidades dos alunos. Todos os professores adotam a mesma pontuação. E tem autonomia para formular suas avaliações da forma que melhor atenta sua disciplina.

 

As observações são registradas pelos professores em diários de bordo da turma, onde se considera a evolução, comprometimento e participação do aluno. A auto-avaliação é feita através de um conselho qualitativo, onde os alunos se reúnem com seus professores e pedagogo e se auto-avalia no bimestre, de acordo com o seu desempenho. O conselho qualitativo é coordenado pelo pedagogo e acontece ao final de cada bimestre em todas as turmas.

 

A avaliação de profissionais é realizada através da avaliação de desempenho proposta pela Rede Municipal de Ensino. Onde é organizada uma comissão de avaliação com representante de professores, agente de serviços, pedagogo e direção. Os critérios a serem avaliados são encaminhados pela Secretaria Municipal de Educação. O processo de avaliação é uma somatória da avaliação da equipe e da autoavaliação do funcionário. No termino da avaliação cada funcionário, recebe sua nota pela equipe seguida de uma conversa que justifique a sua pontuação.

 

A avaliação de desempenho é uma prática recente no município e ainda se encontra em fase de elaboração.

 

É importasnte considerar que, quanto à avliação:

  • É fundamental transformar a prática de aprendizagem.
  • É necessário avaliar como condição para a mudança de prática e para o redimensionamento do processo de ensino/aprendizagem.
  • Avaliar faz parte do processo de ensino e da aprendizagem: não ensinamos sem avaliar, não aprendemos sem avaliar.

 

Dessa forma, rompe-se com a falsa dicotomia entre ensino e avaliação, como se esta fosse apenas o final de um processo. (FERNANDES & FREITAS, 2008)

 

 

 

.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

9- REFERENCIAS

 

MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa & CANDAU, Vera Maria. Indagações sobre currículo: Currículo, Conhecimento e Cultura. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008. 48p.

 

FERNANDES, Cláudia de Oliveira & FREITAS,  Luiz Carlos de. . Indagações sobre currículo: Currículo e Avaliação. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Básica, 2008. 44p.

 

 

 

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: